7 ATITUDES essenciais no relacionamento pais e filhos…

 

 

As crianças já não são as mesmas de alguns anos atrás, isto é um fato. Muitos pais não sabem como se relacionar com as novas crianças. Já tentaram o modo tradicional e isto só aumentou o caos. Me acompanhe neste artigo até o final e você terá uma boa ideia de como ter resultados mais favoráveis no relacionamento com seu filho.

Primeiro, um comportamento descontrolado não surge do nada. A criança está pedindo socorro da maneira que pode ou sabe. Estes momentos podem ser transformados em oportunidades ricas para um aprendizado para vida toda. Estamos em desenvolvimento, não importa a idade que temos, imagine as crianças. Coloque-se no lugar delas. Quantas coisas a aprender em tão pouco tempo: andar, falar, ir para a escola, se relacionar com o mundo, com outras crianças, dentre tantas outras coisas. No contexto quântico o conflito é visto como oportunidade para aprender a dar uma resposta mais assertiva. Criança precisa brincar, se divertir, pular, explorar o corpo. Ela tem este instrumento incrível e está aprendendo a explorar todas as potencialidades.

Temos a cultura de pensar que a vida do adulto é que é desafiado, a da criança é um mar de rosas. Já escutou a frase: Nossa que problemão este do meu filho, como eu queria ter este problema para resolver. Isto é olhar apenas pelo seu ponto de vista, mas para seu filho aquilo pode significar muito e seu papel é dar suporte para que ele aprenda a lidar com as mais diversas situações. Dar apoio, não significa dar ordens do tipo: faça assim, faça assado. Significa ajuda-lo a construir este conhecimento de dentro para fora. Com as birras isto não é diferente.

Agora vamos as 7 atitudes… Elas tem o potencial de transformar para melhor o relacionamento com seus filhos.

  • 1 – Nomear as emoções

Segundo a Quântica os nossos pensamentos e emoções formam uma onda eletromagnética que se comunica com o Universo. O nosso olhar está co-criando nossa experiência de vida. Se tivéssemos tido a oportunidade de desenvolver habilidades socioemocionais nos ambientes familiar e escolar certamente nossas experiências seriam mais favoráveis e com menos conflitos dolorosos. Mas agora como adulto você pode aprender e desta maneira contribuir com a cura de toda a sua linhagem familiar. Não está gostando do que está recebendo? Transforme o sinal que está emitindo. Seu filho vive fazendo birra? Descontrolado? Observe como você age nestes momentos. Você está contribuindo com o conflito ou com a solução? Uma boa dica é ajudar as crianças a nomearem seus sentimentos. Você entra em uma loja e seu filho quer um brinquedo que você não vai comprar naquele momento. Seu filho se descontrola. Respire fundo e vá falar com ele, abaixado e olho no olho. Eu sei que você está com raiva por não poder levar o brinquedo hoje, mas gritar não vai resolver. Não se esqueça, é um processo e vai melhorando com o tempo. Não é só a criança que está aprendendo, você também está. Estão aprendendo juntos.

  • 2 – Dar sugestões

Você está no parque, chegou a hora de ir para casa. A gritaria começa. Como disse anteriormente, nós adultos também precisamos aprender a nos autorregular, pois ainda é muito forte em nossa cultura nos descontrolarmos mais do que a criança. Geralmente começamos a gritar junto. E o que isto está ensinando? Criança aprende por imitação. Não estou dizendo que nunca me descontrolo, sou humana, mas posso dizer que o descontrole se transformou na exceção e deixou de ser a regra em minha casa. Portanto, primeiro acalme-se. De nada adianta as dicas se seu interior está em conflito. Lembra quando aprendeu a andar de bicicleta? Alguns tombos fizeram parte do processo certo? Mas você aprendeu. Aqui não é diferente, se continuar tentando de verdade, vai aprender. Tenho acompanhado pessoas neste processo por meio de atendimentos e constatando a cada dia esta afirmação. Acalme-se e diga a criança: você pode ficar aí gritando ou se aclamar para podermos pensar o que faremos de divertido em casa. Mostre a criança que existem outras possibilidades. Sempre claramente e com poucas palavras. Quanto menor a criança, menos palavras. Até sete anos não conte com a lógica, seja clara na sugestão.

  • 3 – Repetir sempre que necessário

E você vai conseguir algumas vezes, outras não, mas vai aprendendo o seu modo de comunicar com seu filho de uma maneira assertiva que gere aprendizado para a vida. Mas não se esqueça, terá que repetir muitas, muitas e muitas vezes. Temos a cultura da pílula mágica. Fique atento, não é bem assim, trata-se de um processo. Como quer que ele seja capaz de construir uma vida, uma carreira se ele não passou por construção de processos na infância? Você pode achar que a pílula mágica é o mais fácil hoje, mas certamente não terá sido o melhor para o futuro. Este artigo é minha contribuição, pois acredito que se a maioria dos pais tiverem acesso a mais informações, farão melhores escolhas.

  • 4 – A natureza é um mestre sábio

A cada dia nos afastamos mais da natureza. A Quântica traz a perspectiva da sabedoria da natureza e não a vê como objeto a ser conquistado. E criança pode aprender muito com a natureza. Ela aprende a respeito de limites, de que existe tempo para tudo, a contemplar e se acalmar. Explorar o mundo é especialidade da criança. Ela testa hipóteses a todo momento. Portanto crie oportunidades de brincadeiras e contato com a natureza. Brincadeiras como esconde-esconde, pega-pega, bola, subir em árvores. Qualquer atividade que ela possa experimentar o aprendizado com o corpo. Estudos demonstram que meninos costumam ter maior facilidade com a alfabetização matemática porque estão mais livres para explorar o corpo. Este estudo demonstra a ligação entre o aprendizado da matemática e a exploração do corpo. Matemática não se restringe a números como nos ensinaram. É a arte de se fazer relações. É uma habilidade que dá poder aquele que a possui. Nossa sociedade está escolhendo patologizar a infância sem ter noção das consequências. Uma criança que está o tempo todo em frente à televisão, tablete, vídeo game, não está desenvolvendo seu pleno potencial e isto se revela na adolescência. Deixe que seus filhos brinquem e tenham contato com a natureza.

  • 5 – Deixe de ser fascinado pelo erro.

Seja em casa ou na escola muitos de nós tem fascinação pelo erro. E a criança cresce com medo de errar. O errado em vermelho na prova, o castigo por uma palavra mal colocada. Comece a olhar os erros como oportunidades. Os erros fazem parte de qualquer processo e podem ser transformados em coisas a serem escondidas ou em oportunidades para se fazer melhor. Seu filho bateu em você? Que tal demonstrar como se sente? É claro que pode colocar que isto não é aceitável para você e impor limites. Os limites são importantes, mas precisa ser mais do que isto. É preciso gerar aprendizado de fato.

Vou contar uma história de Thomas Edison, inventor da Lâmpada. Um repórter foi entrevista-lo logo quando conseguiu completar o projeto e lhe fez a seguinte pergunta: Como se sente tendo errado 1000 vezes antes de conseguir? Thomas Edison sabiamente respondeu: Eu não errei 1000 vezes, a lâmpada é uma invenção de 1000 passos.

  • 6 – Criança aprende vivendo

Deixe que ela brinque, explore o mundo, se expresse! O que você quer? Um robô ou um ser humano? Alguém que expressa com verdade ou imita os padrões? Já parou para pensar o que o sistema educacional tradicional de ensino faz? Ele treina seu filho para ser um bom funcionário, um bom repetidor, imitador. O mundo contemporâneo pede criatividade! Precisamos de gente que faz relações complexas, se relacione bem, saiba trabalhar em grupo. Imagine novas soluções! Como fazer isto se não tem mais contato com o seu interior? O ego é colocado no lugar de gerenciador de nossas vidas para que possamos dar conta de ser quem não somos. De ser massacrado, podado, alienado da própria essência. Criança não precisa do tablete de última geração, ela precisa ser feliz. O que gera maior felicidade, brinquedos comprados ou os momentos que passam juntos? Brinque com seu filho, explore as possibilidades com ele, o conheça, olhe nos olhos.

 

  • 7 – Time out

No Brasil a tradução é Castigo mesmo, ou seja, punição. O time out foi concebido para ser um tempo, para pais e filhos. Um tempo para respirar, mudar o sinal, um tempo, não castigo. Darem-se um tempo pode fazer toda a diferença. Se está se descontrolando, saia de cena e depois retorne para que possa acontecer o aprendizado. E o que estão aprendendo? A se relacionar. Olhe nos olhos de seu filho, diga claramente como se sente, ajude-o a nomear o que sente. Seu filho se descontrolou? Olhe nos olhos dele e diga, assim que se acalmar conversamos, assim não entendo o que diz. Respirar pode ajudar. Quando se acalmar é só me chamar.

É claro que é um processo, mas que valerá ouro na adolescência. Todas estas atitudes são desenvolvidas e aprimoradas conforme vão sendo usadas. Cada família descobre sua maneira e da sua cor ao processo. É um processo vivo, sempre em desenvolvimento e transformação. Costumo dizer que os resultados falam por si mesmo. Amar seus filhos é mais do que dar presentes caros, escola particular é dar amor. E amor não tem nada a ver com não impor limites e não ajudar no processo de desenvolvimento. Quem ama está disposto a estar presente, se importa. Importar, como disse o Professor Mario Sérgio Cortella, é trazer o outro para dentro. Os Florais de Bach podem dar um suporte neste processo. Tem conteúdo gratuito para seu filho escolher as gotinhas de flor dele.

É só cadastrar seu email no link abaixo:

http://eepurl.com/bRXFLj

 

Deixe seu comentário

Comentar

10 comments on “7 ATITUDES essenciais no relacionamento pais e filhos…Add yours →

  1. Ótimas reflexões acompanhadas do como fazer. Muito útil para nossos dias nas escolas e mesmo em casa, e o mais importante: um modo novo de ver a infância e seu desenvolvimento com sugestões clara e precisas para ajudar as crianças a entender o mundo e o seu lugar nele. Parabéns…….

      1. Parabéns Daniele Rolim! Seus artigos e sua jornada voltada para a educação quântica, fazem parte dessa nova realidade que estamos implantando e divulgando. Oxalá mais e mais educadores, pais e cuidadores, se atentem para essas mudanças de paradigmas e ponham em prática com nossas crianças. Está em nossas mãos essa transformação, vamos nos unir para criarmos nossas crianças imbuídas na vibe do amor, confiança e gratidão!

  2. Parabéns Daniele ! Excelente artigo. Muitas dicas maravilhosas que com certeza vou colocar em prática. Tenho uma pré adolescente em casa e tenho falhado em minhas atitudes diante dela . Mas com sua ajuda estou mudando meu jeito de ver o desenvolvimento dela. Grata !!!

    1. Que bacana saber que este artigo contribui com você querida! Fico muito feliz! Volte pra contar suas experiências, assim ajuda outros pais a acreditar que é possível! Bem-vinda! Gratidão!

  3. Daniele Rolim,
    Parabéns pelas dicas. Ser pai ou mãe é um eterno aprendizado. é necessário estar presente para aproveitar todas as oportunidades. vou compartilhar com colegas e amigos que tem filhos nessa faixa etária com certeza será muito proveitoso.

    1. Gratidão imensa por seu feedback Itelvina. Gratidão por compartilhar! Fico muito feliz que estas informações estejam chegando cada dia a mais pessoas! Podemos fazer a diferença! Bem-vinda!

  4. Daniele Rolim, este artigo mostra o quanto precisamos aprender a ser pais presentes e participativos, entendendo o desenvolvimento dos nossos filhos. É um grande desafio pois não aprendemos a lidar com a educação emocional. Reaprender com amor é sempre mais gostoso e divertido.

    1. Cláudia você entendeu a proposta com clareza. Parabéns! Gratidão por suas palavras! Com amor é sempre mais divertido e podemos nos divertir por toda vida. Não é apenas coisa de criança. Bem-vinda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *